MANUAL DE BOAS VINDAS AO VISITANTE

Prezado Senhor e Senhora: Sejam bem vindos ao nosso Templo.

Para que alguns aspectos da Doutrina e Rituais da Religião de Umbanda praticados em nosso Templo, venha a ser do Seu conhecimento, pedimos sua atenção para a leitura desse Manual de Boas-Vindas.

Os objetivos deste Manual

Infelizmente, muitas pessoas confundem os cultos onde existe a incorporação de espíritos, como se todos fossem da Umbanda.

Infelizmente, hoje, se uma pessoa fundar um terreiro, encher o pescoço de colares, incorporar um espírito e este se identificar como sendo um caboclo, baiano, preto-velho, exu, etc., quem vê e ouve fala que lá é um centro de Umbanda.

Infelizmente, lugares que são puros centros de macumbarias, feitiçarias, comércio de religião, locais de enganação, umbandomblé, quiumbandaria, videntes à qualquer preço, e tantas outras porcarias onde “espíritos” ficam de plantão 24 horas do dia para enganar o ingênuo, fazem questão de se identificarem como sendo Umbanda.

Infelizmente, locais como o candomblé, catimbó, satanismo, etc., também são identificados ou confundidos pelo leigo como sendo Umbanda.

Infelizmente, desde há muito, falsos pais e mães de santo identificam seus terreiros como sendo Umbanda, e na prática errada do que não sabem, satisfazem suas vaidades, ignorâncias e necessidades, criando repulsas, medos e superstições, e ainda fazendo as pessoas caminharem em direção contrária ao correto conhecimento.

Infelizmente, falsos dirigentes de “Instituições que dizem ser de Umbanda”, que se preocupam apenas em arrecadar dinheiro, vem vendendo diplomas de “pai e de mãe de santo” à torto e à direito para pessoas despreparadas e sem condições de quaisquer compromisso ético, moral, intelectual e objetivo sobre religião.

Infelizmente também, escritores aos montes, e cada um com o seu título pomposo, transmitem bobagens produtos de seus interesses, e vemos hoje criadas e alicerçadas, várias “umbandas” baseadas em superstições, fetiches, ignorâncias e ilusões que nada mais são do que reproduções fantásticas de estórias de ficção - que nada tem a ver com a realidade do mundo espiritual.

Infelizmente, muitas pessoas não sabem que a Religião de Umbanda tem um Espírito e um Médium Fundadores, e estes foram o Espírito Caboclo Sete Encruzilhadas, e Médium Zélio Fernandino de Moraes.

Infelizmente, também não sabem que a Umbanda é uma Religião que foi fundada totalmente estruturada sob a Doutrina de Nosso Senhor Jesus – o Cristo; e isso porque desconhecem as vidas passadas do Espírito Fundador da Umbanda:

  1. Como Espírito plasmado na forma de um índio brasileiro, fundou a Umbanda;
  2. Quando índio Tupi, viveu na costa brasileira, e aprendeu tudo sobre a Natureza, principalmente sobre o Eco-Sistema, cuja preservação traz como benefício a melhor qualidade de vida para o Ser Humano.
  3. Em uma vida anterior à de índio, foi o Padre Jesuíta Gabriel Malagrida, nascido na Itália em 1689. Viveu durante 33 anos no Brasil – região Nordeste, no trabalho de catequese dos índios e colonos. Fundou diversas Instituições de Ensino e de Abrigo, bem como nunca deixou faltar recursos para as mesmas. Seu desencarne se deu pela Inquisição, em 1761, morrendo na fogueira.
  4. Em uma outra vida anterior à de Padre Jesuíta, foi o último Grão Mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários – Jacques de Mollay (*1244 +1314). Pelo seu cargo e posição, veio a conhecer todos os grandes segredos guardados pela Igreja Católica. Seu último ato de sua vida, foi a de transferir todos os recurso financeiros da Ordem, para Portugal, para a Ordem dos Cavaleiros de Cristo, e essa fortuna veio a financiar as Grandes Navegações, culminando com a descoberta do Brasil. Foi supliciado pela Inquisição, morrendo na fogueira.
  5. E ainda, em outra vida passada, e lá no início do século, o Fundador da Religião de Umbanda, foi o Apóstolo Thomé, aquele do “só acredito vendo”; e exatamente por isso, recebeu de Cristo a missão de Evangelizar povos distantes, selvagens e rudes. Dessa forma, indo para as Índias, o navio romano em que ele estava desviou-se, e veio parar na costa do Brasil (hoje seria as proximidades de Salvador – Bahia). Como prova de sua vinda, lá Ele deixou gravadas em pedra, as suas mãos e pés. Como prova maior ainda, junto aos índios Ele transmitiu Sua cultura e a Doutrina de Cristo, e que o Seu símbolo era a Cruz, e dizia que um dia voltaria. Por toda essa convivência junto aos índios, deixou a mais bela de todas as lendas: a do Caboclo Sumé, ou conforme Alziro Zarur – o Fundador da Legião da Boa Vontade: o Caboclo Flecha Dourada da Umbanda. Resgatado por outro navio, partiu para as Índias, onde lá viveu até o seu desencarne. 

 Portanto, o presente Manual foi elaborado, com os objetivos de que o leitor, possa:

  1. Se familiarizar com o básico da Doutrina de Umbanda;
  2. Em vista de conhecimentos, que elimine a falsa, confusa e negativa imagem que a maioria das pessoas tem da Umbanda;
  3. Saber diferenciar a Verdadeira Religião de Umbanda, se comparada com cultos mistificadores, pessoas falsas e espíritos enganadores;
  4. Ao saber avaliar, que pelo seu critério, faça a opção da escolha certa.

De maneira simples, o que é a Religião de Umbanda?

É uma religião que, dentro de um local próprio que chamamos de Templo, possui em sua apresentação, rituais diversos, como cantos, ritmos musicais feitos por tambores ou palmas, velas, defumação, e pessoas vestidas com roupa branca com colares de diversas cores ao redor do pescoço; com a finalidade da incorporação de Espíritos na qualidade de Guias Trabalhadores, em pessoas denominadas Médiuns, para que todos possam se aconselhar com esses Guias, que trabalham em prol da humanidade, e em nome de Jesus.

A Hierarquia da Umbanda:

Observações para antes de entrar em um Templo de Umbanda:

Se o motivo da vinda é a curiosidade, seja respeitoso com o que não conhece; pois, apesar de existirem muitas religiões diferentes uma da outra, todas as que falem em Deus e tenham a finalidade de melhorar o Ser Humano e Espírito estão certas. Também, as religiões são muitas para que a pessoa se encontre em uma delas. Agora, se o motivo da vinda é necessidade espiritual, a Religião de Umbanda, possui as condições de atendê-lo.

Não será permitido a entrada e permanência no Templo, de pessoas alteradas por álcool, drogas, químicos; que não estiverem trajadas decentemente; e que não se comportarem com respeito. 

O Salão Cerimonial:

É o local onde os Médiuns permanecem durante os Rituais e recebem a incorporação dos espíritos. É um local onde as energias materiais e espirituais que ali fluem são canalizadas pelos espíritos na ajuda às pessoas que os procuram. Por ser local preparado para a formação de corrente (fluídos) de energias no sentido da Caridade, as pessoas devem voltar os seus pensamentos para Bons Propósitos. 

O Corpo Mediúnico:

São as pessoas que ficam no Salão Cerimonial, que se vestem de branco e usam paramentos.

O Altar (ou Congá, ou Pejí):

É o local de referência, para onde convergem todos os sentidos; e nele ficam colocadas 7 imagens de santos cristãos, as quais representam os 7 Orixás da Direita Positiva da Umbanda. Ficam também 7 velas acesas em cores distintas uma da outra, e cada vela representa um Orixá e, cada Orixá representa um Sentido, uma Virtude, ...

Qual o sentido da Umbanda, como Religião:

Os Atabaques (tambores musicais):

Os sons e os ritmos produzidos pelos Atabaques, servem de elementos de ligação entre o material e o espiritual, significando as nossas preces e louvações; e também, elementos que atraem os Espíritos para o Templo, e como conseqüência, a incorporação destes espíritos em seus Médiuns.

Ritual de Abertura dos Trabalhos:

Preparam o ambiente para a vibração espiritual necessária; para a proteção do ambiente, médiuns e assistentes; para a formação de corrente espiritual atrativa e imantada de bons fluídos e boas vibrações.

Ritual da Defumação:

É a queima no turíbulo com brasas incandescentes, de materiais (vegetais, pós e resinas) determinados pelos espíritos, que traz como resultado uma melhor comunicação com as diversas Faixas Espirituais. A defumação, em conjunto com as irradiações das boas vibrações dos Guias, ajudam a eliminar as vibrações negativas (miasmas; mau-olhado; olho-gordo; inveja; doenças espirituais ou que não se acham as causas; má sorte, ...) que ficam grudadas na Aura do Corpo Físico, no Corpo Perispiritual, ou na Alma das pessoas.

Os Pontos Cantados ou Ritmados:

São Hinos de Louvação e Homenagens à Deus, aos Anjos, Guias Espirituais e; Hinos Invocatórios de proteção ao Templo, Médiuns, e pessoas presentes.

Pontos de Incorporação:

Fazem a chamada dos Espíritos para que incorporem em seus Médiuns. A Disciplina Hierarquizada determina que em primeiro lugar se manifeste o Espírito Guia Chefe da Casa, e somente após a palestra que ele profere, venham a incorporar os demais Espíritos em seus médiuns.

Pontos de Desenvolvimento e de Trabalhos:

São cantados durante a atividade normal de um Templo, também chamada de "gira". Na "gira", em primeiro lugar, os médiuns desenvolvidos incorporam os seus espíritos; para depois, em segundo lugar, ajudarem na concentração dos médiuns que estão iniciando; e, em terceiro lugar, todos os médiuns incorporados, fazem o atendimento das pessoas que buscam um aconselhamento com os Guias Espirituais.

Observação: Desenvolver, inicialmente, não é receber espírito. Desenvolver é aprender sobre a Doutrina, para só então, com o devido Conhecimento, com a devida Confiança, pela Mediunidade se aliar a um Espírito no Propósito de ajudar um semelhante.

Pontos de Encerramento:

Informam à todos os Guias Espirituais, que devem desincorporar de seus Médiuns, devido o encerramento dos trabalhos.

No interior do Templo, SEJA RESPEITOSO e FAÇA SILÊNCIO:

Antes dos trabalhos, a prece, os bons pensamentos e os assuntos sadios devem ser predominantes.

Durante os trabalhos, o Respeito e o Silêncio são necessários, para que não haja quebra da concentração mediúnica.

As pessoas não poderão fazer ou promover algazarra; gritar; discutir; conversar; ficar envolvida em assunto que nada tem a ver com a finalidade do local; fumar; ingerir bebida alcoólica; se portar de maneira inconveniente, anti-ética ou desrespeitosa.

As crianças de colo ou as que ainda não sabem se comportar, não devem ser levadas para o Templo, pois o barulho que provocam (choro, arrastar de cadeiras, gritar, falar, brincar, amassar copos, correr, ...), desconcentram os Médiuns. A criança deverá ser levada para o Templo, quando esta necessite ser atendida por um Espírito Guia Trabalhador.

Todas as pessoas que não observarem as regras, serão convidadas a deixar o recinto.

Em síntese, o que é a Umbanda?

A Umbanda é uma Religião Espiritualista, pois lida com Espíritos. É a ação dos Bons Espíritos sobre as pessoas e sobre espíritos inferiores, para que aconteça a melhoria em todos os aspectos (espiritual, físico, mental, pessoal, familiar, profissão, estudos, negócios, ...), e principalmente de conduta para trazer como resultado o Aperfeiçoamento Moral e Espiritual.

A Umbanda, como Religião que é, objetiva a evolução de todas as pessoas e Espíritos em todos os Sentidos. Resumindo, a Umbanda é a manifestação, tanto do Espírito quanto do Médium, para a prática da Caridade Pura.

O sentido prático e objetivo da Umbanda na vida das pessoas:

Conscientizar as pessoas sobre o Bem e o Mal.

Que cada pessoa é responsável sempre por suas atitudes.

Que o Ato cometido (Ação) sempre vai gerar uma Reação, resultando disso um Mal ou um Bem, tanto para si, como para as pessoas, coisas e interesses que envolvem o praticante do ato.

Que o Sentido da Vida é a busca da Perfeição Material e Espiritual, e o melhor caminho para isso se alcançar é pela prática de Boas Atitudes Conscientes e Responsáveis.

A História da Umbanda – Sua Fundação:

Em 15 de Novembro de 1908, o Médium Zélio Fernandino de Morais, de apenas 17 anos de idade, estando no interior do Centro Kardecista da  Federação Espírita de Niterói, Rio de Janeiro, sendo que lá foi para se consultar sobre problema com sua  saúde física, veio a incorporar um espírito de índio que se identificou como sendo o Caboclo 7 Encruzilhadas.

Esse Caboclo foi taxado pelos dirigentes Kardecistas de então, de ser um Espírito atrasado, e de lá foi enxotado.

Para que este Caboclo, e os demais pudessem trabalhar (ajudar os seus irmãos encarnados), bem como difundir a Religião dos Espíritos de maneira simples, não restou outra alternativa, senão a de ser fundada uma outra Religião Espiritualista e sem nenhum vínculo com as pessoas preconceituosas que comandavam o Kardecismo na época.

No dia seguinte, o Caboclo transformou a residência do Médium, na Rua Floriano Peixoto, 30, Bairro de Neves, Rio de Janeiro, no primeiro Templo de Umbanda, batizado de Tenda de Umbanda Nossa Senhora da Piedade.

Observação:

Antes do Caboclo 7 Encruzilhadas fundar a Umbanda, já haviam Médiuns que incorporavam espíritos. Só que, nenhum espírito, em nenhum momento e em nenhum lugar tinha proferido a palavra "Umbanda".

Antes da fundação da Umbanda, terreiros já existiam e sendo todos identificados como "Macumba", pois tanto trabalhavam fazendo o Bem como fazendo o Mal.

 Porque o nome "Umbanda"?

Como a Umbanda foi fundada dentro de um Centro Espírita Kardecista, a nova religião de espíritos de negros e de índios, por adotar a Ciência, a Religião e a Filosofia Kardecista, ficou sendo uma parte, UMa BANDA do Kardecismo; portanto, juntado tudo e sem um "a", virou Umbanda.

Isso desmistifica pessoas de grande imaginação que buscaram até nas "catacumbas das pirâmides do Egito", um sentido misterioso para o nome, esquecendo-se que o Fundador da Umbanda sempre disse: "A Umbanda, quanto mais simples, melhor"!

Resumo dos Preceitos ditados pelo Caboclo 7 Encruzilhadas, para ser seguido pelos Umbandistas:

  1. A prática da Caridade no sentido do Amor Fraterno, é a característica  principal desse culto, que tem por base o Verdadeiro Evangelho de Cristo, e como Mestre Supremo, o meigo Jesus, (portanto, médiuns e espíritos da Religião de Umbanda devem ser Evangelizados e Evangelizarem em nome da Verdadeira Doutrina de Cristo).
  2. Os espíritos de velhos negros africanos e de índios que haviam em vida servido como escravos (ou foram oprimidos), voltam para trabalhar em benefício de seus irmãos encarnados, quaisquer seja a raça, cor, credo e a condição social de quem os procuram.
  3. Não se usa o sacrifício de aves e animais, nem para homenagear entidades e nem para desmanchar (ou fazer) quaisquer trabalhos de magias. Portanto, o sacrifício (bem como os despachos/oferendas) de aves e animais é totalmente alheio às práticas de Umbanda.
  4. Não matar, não cobrar, usar o branco, evangelizar e utilizar as forças da Natureza.
  5. Sobre a Mediunidade, deve-se dar de graça, o que de graça se recebe. Praticar a Mediunidade como missão e nunca como profissão. A única retribuição deve ser a certeza do dever cumprido.
  6. Não ter vaidade. Praticar o Amor na Ação e na Palavra. Manter elevado padrão moral. Conquistar e praticar o Conhecimento. Proceder corretamente dentro e fora do Templo.
  7. Praticar e carregar Cristo como a única certeza da vida.

Observação Importante:Reconhece-se quem trabalha em prol da Umbanda, se estes trazem como Doutrina de Vida, apenas o Evangelho de Cristo.

Os que inventam cultos próprios e fazem ebós, abôs, oferendas, ou quaisquer práticas fetichistas, são os representantes das macumbas.

Observações sobre a Bíblia: O Verdadeiro Evangelho de Cristo não é o que está nas bíblias que servem a todas as religiões.

A bíblia se baseia em pessoas que não viveram junto à Jesus, e sim, em pessoas que ouviram dizer e depois fizeram suas próprias interpretações. Também, essas bíblias do “segundo”, sofreram e ainda sofrem mudanças de acordo com as necessidades das religiões dominantes.

Jesus, ao povo, sempre falou por parábolas; e o único mandamento claro deixado por Jesus, foi: - “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei!”

O Kardecismo - berço da Ciência, Filosofia e Religião dos Espíritos:

Como a Umbanda nasceu dentro de um Centro Kardecista, a Doutrina da Umbanda é a mesma Codificação Espírita revelada por Allan Kardec.

O Caboclo 7 Flechas – Mentor Espiritual de nosso Templo, sempre pregou que os ensinamentos iniciais sobre a Ciência, Filosofia e Religião dos Espíritos, devem ser corrigidos e aperfeiçoados no decorrer do tempo, e divulgados por outros Médiuns e Espíritos, não só em vista de novas realidades e novas necessidades de conhecimento, como também que as experimentações e provas isso exigiriam. Contudo, após o desencarne de Kardec, os seus seguidores transformaram as suas revelações em dogmas, não permitindo retoques, correções, eliminações, complementos, e principalmente que novas revelações e novos conceitos pudessem vir de outros Médiuns, e muito menos ainda, que viessem de Espíritos de Índios e Pretos, que nunca foram mencionados de forma direta, nas obras de Kardec.

Essa dogmatização aos escritos de Kardec, além de estancar o manancial de informações espirituais, fez e faz acontecer não só a discriminação dos Kardecistas contra os Espíritos de Índios, Pretos e contra a Umbanda, como também isso limita os próprios escritores kardecistas, obrigando-os a só escrevem romances ou dissertarem em torno das obras de Kardec, sob pena de serem tachados de visionários ou obsedados.

Hoje, apesar de ainda existirem grupos radicais, centros Kardecistas já desenvolvem trabalhos espirituais com as “Linhas de Caboclos e Pretos-Velhos”, sendo isso um bom prenúncio para a reunificação entre a Umbanda e o Kardecismo.

Obras que recomendamos, de Allan Kardec: O que é o Espiritismo; O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns; O Evangelho Segundo o Espiritismo; O Céu e o Inferno; A Gênese e; Obras Póstumas.

Chico "Amor" Xavier:

Recomendamos todas as obras publicadas pelo maior Médium brasileiro – Francisco Cândido Xavier; e isso por um motivo simples: ele atendeu uma das recomendações dos espíritos de Luz, que é o dar de graça o que recebeu de graça. Todos os lucros de venda de seus livros foram e são doados para instituições de caridade. Ele nunca pediu um tostão sequer por qualquer obra sua, ao contrário dos escritores de hoje.

Observações sobre o Candomblé, Umbandomblé, Catimbó e Macumba:

Por mais que os seguidores dessas seitas afirmem em contrário, não existe nenhuma ligação de bom senso e de divino entre a Umbanda e esses cultos.

A Umbanda é progressiva, desenvolve, não é supersticiosa, e seu sentido é "a prática da Caridade em todas as suas formas"; e nisso, está implícito o Amor e o Respeito à todas as criaturas vivas e a Natureza.

O Candomblé é uma religião brasileira, nascida de ex-escravos africanos, que na tentativa de recriarem os mesmos rituais praticados pelos antigos reis feudais e feiticeiros africanos, criaram em solo brasileiro um culto fetichista, primitivo e animista, sem a noção do pecado, e com as crenças:

  1. Na compra dos favores espirituais de seus "deuses" pelo sacrifício de animais como forma de pagamento do atendimento dos pedidos, independente de haver ou não merecimento por parte da pessoa solicitante.
  2. De poder ser "colocado um santo" na cabeça de um neófito, desde que este pague em espécie por isso, mesmo que isso seja contrario à Lei Espiritual da Evolução que determina a necessidade do desenvolvimento para melhor, tanto da pessoa e do espirito em todos os sentidos, e ainda sendo contrário à Lei das Afinidades, que diz, que "um semelhante atrai sempre um igual semelhante".
  3. De que os seus "deuses-orixás" vivem e cuidam dos aspectos e essências das Naturezas, afirmação essa que coloca Deus na posição de Imperfeito nas suas Obras e Leis da Criação.

O Umbandomblé é uma mistura confusa das práticas do Candomblé, com as práticas que se verificam nas Macumbas e Catimbós, sendo sempre o fruto da ignorância de seus idealizadores e espíritos iguais que os acompanham.

O Catimbó é uma mistura das práticas religiosas dos negros africanos escravos, com a prática da Pajelança do índio brasileiro. Do Catimbó surgiram as entidades como os Mestres, Zés Pilintras, Marias Molambos, Padilhas, ...

A Macumba é onde não existe Educação, Doutrina, Ordenação, Desenvolvimento e Evolução Espiritualista baseada em Jesus Cristo, Kardec e no Caboclo 7 Encruzilhadas. É onde cobram por consultas e fazem matanças. A Macumba é o desconhecimento de quaisquer Leis Primárias de Bom-Senso.

A Umbanda e o Ecletismo:

Por ser eclética (reunir em si, o que é o melhor dos outros sistemas), recebe influência de todas as seitas, cultos, filosofias, religiões, e adapta-as observando que se enquadrem sempre dentro dos preceitos já estabelecidos. Absorveu os verdadeiros ensinamentos de Cristo e de seus Apóstolos; o código espírita do Kardecismo; o conhecimento das ervas; rituais e sabedoria orientais; e muito de diversas filosofias evolutivas, pois Deus e a Verdade nunca foram, são ou serão propriedade desta ou daquela religião.

Existem muitos cultos que se apresentam como Umbanda, mas qual é verdadeiramente a Umbanda?

Somente as que seguem os Preceitos Religiosos ditados pelo Caboclo 7 Encruzilhadas. Portanto, o Templo:

  1. Que não faz menção ao Caboclo 7 Encruzilhadas como o Fundador da Umbanda;
  2. Que não coloca Jesus Cristo, como a figura máxima exponencial a ser seguida e como elemento de referência de conduta e doutrina e;
  3. Que não apresenta como a Codificação da Umbanda as Doutrinas Espiritualistas de Allan Kardec como sendo a Ciência, a Filosofia e a Religião a ser seguida pelos Umbandistas, não poderão, nunca, serem chamados disseminadores da Religião de Umbanda; e sim, da Macumba, sendo cultos parasitas, sem identidade própria ou real, criados pelo desconhecimento ou pela intenção deliberada de seus idealizadores ou dirigentes, o que traz como resultado, somente orbitarem em volta do nome “Umbanda”.

Observação O Caboclo 7 Flechas, à esse respeito, informa que o Tempo, que a tudo conserta, colocará a Verdade Espiritual acima da Verdade dos Homens, e as pessoas que freqüentam e fazem esses cultos estranhos, no futuro e gerado pelo sofrimento advindo de suas ações nefandas, corrigirão os seus erros e se integrarão à Verdadeira Umbanda.

Características dos Espíritos Guias Trabalhadores da Umbanda:

Os Caboclos representam a mocidade, força e juventude; e os Pretos-Velhos representam a velhice, experiência, humildade e sabedoria. As Linhas Auxiliares: Baianos, Boiadeiros, Marinheiros, Ciganos, representam a simplicidade da Umbanda para com as singelas aspirações de fácil comunicação com quem os procuram.

Resumo dos Preceitos de Umbanda, ensinado pelo Caboclo 7 Flechas:

  1. Que tudo no Universo visível e Invisível é obra da criação de Deus.
  2. Na existência de mundos espirituais, almas e espíritos.
  3. Na imortalidade do espírito.
  4. Que o espírito, em sua evolução e antes de habitar um corpo humano, já teve passagens pelos mundos: aquático, mineral, vegetal e animal.
  5. Que não há privilégios, estando todos sujeitos às Leis Espirituais.
  6. Que Deus nunca criou uma classe especial de Anjos para servi-lo; e nem que alguns tenham se tornados seres demoníacos condenados à maldição eterna, e que atormentem os seres humanos.
  7. Os Anjos são produto da Evolução Espiritual, à que também estamos submetidos.
  8. Os demônios são espíritos idem aos nossos, só que rebelados em direção à evolução.
  9. Na reencarnação de todos os espíritos como meio de evolução.
  10. Na comunicação entre vivos e mortos.
  11. Nos verdadeiros ensinamentos de Jesus Cristo.
  12. Numa hierarquia espiritual.
  13. Que Orixá é o mesmo que Anjo.
  14. Nas Leis Espirituais de Causa e Efeito, Karma, Livre-Arbítrio, ...
  15. Nos espíritos, suas classificações e suas influências.
  16. Na Umbanda, como Religião Evolutiva do Ser Humano e Espírito.
  17. Nas forças da Natureza e da sua importância para o Ser Humano.
  18. Na prática da Caridade Pura como meio de Evolução.
  19. Na necessidade da preservação do corpo físico pelos bons hábitos e sem vícios, pois todos somos propriedade de Deus, e devemos respeitar o que nos é emprestado, pois disso daremos conta.
  20. Que o sentido da vida é a Evolução no sentido do Bem.

Características dos Trabalhos da Umbanda e dos Espíritos Guias:

  1. No dizer de Chico Xavier, pelo Espírito Emanuel; “A Umbanda é o Pronto-Socorro da Espiritualidade”,
  2. A Umbanda fornece educação moral e religiosa; pratica o desenvolvimento mediúnico e pessoal; e faz cumprir o significado da palavra “religião”.
  3. Os Guias atendem de imediato as pessoas necessitadas; aplicam passes, fazem desobsessões, rezas, benzimentos e  rituais diversos; fazem curas para o Corpo, Alma e Espírito; fazem aconselhamentos e amparam seus adeptos.

Hierarquia Divina da Religião de Umbanda:

Deus, Anjos, Guias Trabalhadores (Espíritos com Ordens e Direitos de Trabalho), e Espíritos Auxiliares (os que auxiliam os Guias Trabalhadores).

Quem é Deus? O Incriado. Imaterial. Eterno. Único. Onipotente. Soberanamente Justo e Bom. Infinito em sua Perfeição. Imutável em suas Obras. A Suprema e Soberana Inteligência. A causa primeira de todas as coisas. Criador de tudo que existe no Universo Material e Espiritual. Está em tudo e em todos. Tudo vê e a tudo preside. Não possui forma que possa ser vista pelos sentidos do ser humano.

Quem são os Anjos?Anjo é o mesmo que Arcanjo, Serafim, Querubim, Trono, Deva, etc. Na Umbanda Popular, por sincretismo, os chamam de “Orixás”; mas, nada tem a ver com a interpretação que se dá ao orixá africano. Anjos são Espíritos idem aos nossos, só que já passaram por todas as etapas de reencarnação para aperfeiçoamento e hoje não mais necessita encarnar, nem tem mais nada para aprender. São hoje, enfim, Espíritos do mais Puro Grau, e como tal, possuem o desejo natural de ajudar os seus semelhantes encarnados.

Na Umbanda, são 7 Anjos, 7 Linhas, 7 Orixás, 7 Arquétipos, 7 Comandantes, 7 Virtudes, 7 Imagens, 7 Referências, ou 7 Santos:

Na Umbanda, cada “Orixá”, na condição de Arquétipo, é um Comandante de uma das 7 Linhas da Direita Positiva, sendo o possuidor, detentor e distribuidor de uma das 7 Virtudes preconizadas como referencial a ser seguido para a Perfeita Evolução do Ser Humano e Espírito.

E, cada Comandante Arquétipo de uma das 7 Linhas da Direita Positiva da Umbanda, tem a sua representação na imagem de um santo cristão. Foi escolhida a imagem do santo cristão porque, quando este estava em vida na carne, possuiu, praticou e se projetou numa Virtude  idêntica à do “Orixá” Arquétipo da Umbanda.

As 7 imagens dos santos cristãos são bases referenciais para que o Umbandista projete o seu mental na atração de Vibração, Sentido ou Virtude correspondente. Os Anjos da Umbanda (também chamados de “Orixás”, é o mesmo que Espíritos Puros em quantidades inimagináveis), e possuem todas as Virtudes em si, e no desejo de ajudar os seus semelhantes encarnados a evoluírem, projetam as suas Irradiações de Virtudes em forma de vibrações mentais e espirituais, sobre todos os Seres Humanos, Almas e Espíritos.

As 7 Linhas da Direita Positiva da Umbanda:

As informações para as 7 Linhas, tem como origem o Caboclo 7 Flechas, havendo registros dessas informações desde 1.970. Nos demais Templos, cada um tem o seu critério e variações sobre as Linhas.

As Linhas que apresentamos, seguem Lógica Ordenada, a qual adota o Arquétipo e não a figura espiritual em si como existente no mundo espiritual. Também, os “Orixás” das 7 Linhas são identificados por nomes africanos, por já serem conhecidos e adotados pela tradição das Umbandas Populares; só que, acrescentados de seus Sentidos e Virtudes Representativas.

  1. OXALÁ,representa a LINHA DA FÉ. É o cultivo à religiosidade, confiança e ascensão. Sua cor representativa é o Branco. Seu símbolo é um Sol que irradia em todas as direções. Para que uma pessoa possa dizer que é “filho/a desse Orixá”, tem que possuir as Qualidades do cultivo à Religiosidade, transmitir e Confiança, sendo que nessas pessoas deve-se notar uma ascensão espiritual crescente, bem como que seus comportamentos virtuosos sejam sempre inspirados nas Qualidades e Virtudes de nosso Pai Oxalá – Jesus Cristo, ou de outro santo com as mesmas Qualidades de Jesus, como Buda, Zoroastro, Crishna, Sumé, etc. Oxalá tem a sua representação cristã em Jesus Cristo.
  2. OXUM, representa a LINHA DO AMOR. É o cultivo à afetividade, carinho, comunhão, fraternidade e sociabilidade. Sua cor representativa é o Rosa e seu símbolo é um Coração. Para que uma pessoa possa dizer que é “filho/a dessa Orixá”, tem que possuir as Qualidades em que nelas se notam que cultivam e praticam o Amor Virtuoso em toda a sua essência e natureza, para com tudo e com todos. Oxum tem sua representação cristã na Imaculada Conceição de  Nossa Senhora.
  3. OXOSSI, representa a LINHA DO CONHECIMENTO. É o cultivo à compreensão, estudo, criatividade e aperfeiçoamento. Sua cor representativa é o Verde e seu símbolo é uma Flecha. Para que uma pessoa possa dizer que é “filho/a desse Orixá”, tem que possuir Qualidades em que nelas se notam que cultivam e praticam as Virtudes do Conhecimento em todas as suas formas; que vivem em busca da erudição produtiva; e que possuem o interesse inato em si, de distribuir para demais, o Conhecimento Compreendido. Oxóssi tem sua representação cristã em São Sebastião.
  4. XANGÔ, representa a LINHA DA JUSTIÇA. É o cultivo à razão, resignação, obediência e submissão lógica. Sua cor representativa é o Marrom. Seu símbolo são: Dois Machados Cruzados, Um Machado ou a Montanha. Para que uma pessoa possa dizer que é “filho/a desse Orixá”, tem que possuir  Qualidades em que nelas se notam que possuem os Sentidos de Conhecimento e que, Cultivam, Obedecem e Aplicam a sua Interior Razão Lógica de forma Equilibrada; a qual sempre é o resultado e o produto de suas buscas pela Sabedoria, sendo a aplicação externa a Perfeita Justiça como o reflexo de seus atos. Xangô tem sua representação cristã em São Jerônimo.
  5.   
  6. OGUM, representa a LINHA DA LEI. É o cultivo à lealdade, disciplina, ordem e hierarquização. Sua cor representativa é o Vermelho e seu símbolo é uma Espada. Para que uma pessoa possa dizer que é “filho/a desse Orixá”, tem que possuir Qualidades em que nelas se notam que possuem os Sentidos de Conhecimento, Obediência, e que Aplicam as Leis Reguladoras voltadas para a Ordem Instituída, sendo  dela ferrenho mantenedor. Ogum tem sua representação cristã em São Jorge. 
  7. OBALUAYÊ, representa a LINHA DA EVOLUÇÃO. É o cultivo à doutrina, saber, equilíbrio e evolução. É o cultivo para o retorno da normalidade em saúde para o Corpo, Alma e Espírito. Sua cor representativa é o Amarelo e seu símbolo são Sete Cruzes. Para que uma pessoa possa dizer que é “filho/a desse Orixá”, tem que possuir Qualidades em que nelas se notam que possuem os Sentidos da Transformação Interior, que buscam o Saber Ilimitado em todas as áreas, não só para o cultivo da  própria Evolução Superior, como para a aplicação desses Conhecimentos nas curas de Corpo, Alma e Espírito. Obaluayê tem sua representação cristã em São Roque.
  8. YEMANJÁ, representa a LINHA DA GERAÇÃO. É o cultivo à união, concepção, geração, vida e preservação. Sua cor representativa é o Azul e seu símbolo é a Âncora ou a Estrela do Mar. Para que uma pessoa possa dizer que é “filho/a dessa Orixá”, tem que possuir Qualidades em que nelas se notam que possuem os Sentidos Completos do Amor Criador, que vivem na busca de Iniciar uma União; que Iniciam uma União; que além de a Gerarem, fazem a Preservação dessa União, e dessa União fazem acontecer nova Geração, e assim sucessivamente; e isso, não só no Sentido Maternal, como em todos os Sentidos da Criação de alguma coisa produtiva. Yemanjá tem sua representação cristã na Mãe de Jesus - Nossa Senhora.

Observação:Na busca da perfeição, devemos cultivar todas as Qualidades, pois quem é bom em apenas uma coisa, é incompleta nas demais, sendo portanto, imperfeita. Um Espírito, ao dizer que pertence à tal Linha (e somente à ela), é um espírito imperfeito, pois não possui em si todas as Qualidades, e portanto, somente atende assuntos de sua especialidade.

Os “filhos e filhas” deste ou daquele “orixá":

Nas macumbas, é comum dizerem que as pessoas são “filhos ou filhas” deste ou daquele “orixá”. Por diversos fatores baseados na Erudição e não na Ignorância, ninguém é filho ou filha deste ou daquele santo. Todos nós somos filhos de nossos pais biológicos, e Deus é nosso único Pai Espiritual. O santo em si, é alguém que vive somente para Deus. Por isso, tenha a certeza que santo não habita a cabeça de um pecador, principalmente para quem paga, e nem o santo se vende. Também isso justificam, fazendo analogia do temperamento da pessoa com o do “orixá”; só que, o temperamento de uma pessoa normal não é igual durante as 24 horas do dia, e nem eterno. Durante o dia, o humor varia constantemente.

Quem são os Espíritos Guias Trabalhadores da Umbanda?

  1. São seres humanos desencarnados, com Qualidades, Virtudes, Força e Poder da praticar do Bem, na proporção do Grau de Evolução que atingiram.
  2. São os seus Graus que os colocam em posições hierárquicas na Umbanda. Alguns são Sábios, outros Benévolos, outros Prudentes, outros possuem mais outras Qualidades, e outros ainda são de Ordens Superiores, mas a base fundamental são suas Qualidades Morais.
  3. Seus corpos espirituais se apresentam nas formas de Caboclos, Pretos-Velhos, e outras formas aceitas. Todos possuem Ascendência, Força e Poder de Comando sobre Espíritos que lhe são inferiores.
  4. Protegem os seus Médiuns, estando ligados à estes por Missão, Karma ou pelo uso do Livre Arbítrio.
  5. Se subordinam aos Anjos, e de acordo com a atividade que exercem no momento do atendimento, espelham uma, várias ou todas as Virtudes.
  6. De acordo com as características físicas que imprimem no jeito de ser do Médium, o Guia mostra a sua identidade como Caboclo Flecheiro, Caboclo Caçador, Preto-Velho, Baiano, Cigano, etc.
  7. Costumam se comportar, quando incorporados em seus Médiuns,  igual à quando estavam em sua última encarnação, conservando os seus hábitos.

Quem são os Guias Auxiliares

Conforme o próprio nome diz, são os auxiliares dos Guias com Ordens e Direitos de Trabalho. Normalmente suas origens é a de terem sido resgatados de suas condições inferiores, e como reconhecimento e agradecimento, se colocam à disposição do Guia para os auxiliarem. Por não serem espíritos com ordens e direitos de trabalho na Umbanda, não são espíritos com força e poder; mas, possuem a devida proteção e amparo dos Guias à quem servem. Pelas Leis das Afinidades ou Cármicas, esses espíritos também incorporam em seus médiuns iguais, e se identificam usando o nome de seu “chefe” que o protege.

O que não se deve pedir e fazer junto aos Guias da Umbanda:

Os Guias sempre respondem as perguntas que objetivem o Bem; mas, normalmente, não respondem sobre as que são motivadas pela futilidade; sobre existências passadas e futuras; as que pedem previsão do futuro; sobre resultados de jogos de azar; sobre a situação de pessoas falecidas; as que são para experimentá-los; sobre tesouros enterrados; sobre fofocas. Os Guias não devem ser incomodados por pedidos de coisas banais como arranjar namoro; fazer mal para alguém; conversas demoradas e improdutivas; e com desafios do tipo: “nada vou dizer e o Sr. me diga o que eu quero ou estou pensando”. Os Guias não devem ser desrespeitados de nenhuma forma.

A Mediunidade:

É o Dom que pessoas tem, de que o seu corpo físico seja utilizado por Espíritos, não só pela incorporação, como por outros meios. É importante salientar que tanto o Médium como o Espírito, não são santos, nem infalíveis e nem poderosos. O espírito sempre será um retrato fiel das qualidades morais do Médium; sendo bom se o Médium for bom; e ruim se o Médium for de péssima índole, viciado, ignorante, maldoso,

Características de um Sacerdote (ou Pai de Santo) da Umbanda:

Como representante máximo da religião que professa, chefe espiritual do Templo, e elemento de ligação entre o mundo material e o espiritual, o Sacerdote deve estar secundado por:

  1. Guias Espirituais com qualidades de Espírito Mentor, em condições de fornecer orientações seguras para as necessidades que se apresentarem, e em condições de estabelecer as diretrizes espirituais para o Templo.
  2. Espírito Instrutor, para conduzir, não só o Sacerdote no Caminho do Saber, como também todo o seu corpo mediúnico.
  3. Espíritos Guias Chefes com Ordens e Direitos de Trabalho, em todas ou nas principais Linhas.
  4. Espírito Guardião e Protetor, para a sua própria segurança.
  5. Deverá possuir Conhecimentos acima da média em todas as ciências abertas; ter o domínio do oculto; conhecer com profundidade sua religião e sobre Teologia; e ainda, ministrar ensinamentos religiosos e filosóficos no sentido do desenvolvimento da espiritualidade; Celebrar e ministrar rituais. Também, deve pautar sua vida nos mais sadios princípios, devendo ser elemento de referência e exemplo para as demais pessoas.

Obrigações e responsabilidades dos Médiuns:

Os Médiuns, para merecer a presença em si de Espíritos Bons, deve pautar sua vida na prática das Virtudes. As principais Qualidades de um Médium que representa a Umbanda, são estas: Amor Incondicional para consigo, com a Família, demais Seres Humanos, Animais e a Natureza; Tolerância; Respeito; Educação; Humildade; Conhecimento; Desejo sincero de ajuda ao semelhante; Estar sempre disposto e pronto para a prestação de socorro à quem necessitar, e não importando à quem seja; Doar de graça a Mediunidade a favor de seu semelhante, pois a Mediunidade é um Dom que Deus concede para favorecer Alma e Espírito que deseja evoluir mais rapidamente; Ser um exemplo, tendo Boa Conduta e sendo pessoa de referência, e para isso, o Médium não deve ter vícios (cigarro, drogas, baladas, bebidas, jogatinas, etc.). A questão do asseio, cuidados e estudos,  deve ser uma constante.

Para aquilatar as qualidades de um espírito que incorpora em um médium, basta analisar o comportamento moral do Médium. Portanto, se o médium é bom, o espírito também é bom. Se o médium tem falhas morais, o espírito incorporante é idêntico ao seu médium, sendo que isso atende a máxima sobre a mediunidade de que “semelhante atrai um igual semelhantee".

Os cuidados que se deve ter com as Macumbas e os Macumbeiros:

Infelizmente, muitos terreiros se identificam como sendo Umbanda, mas que na realidade são macumbas. E, como é que se sabe que são macumbas? Resposta: Porque são exatamente o contrário de tudo que retrata a verdadeira Umbanda.

Quantas “umbandas” existem?

Pessoas que desconhecem a história da fundação da Umbanda, dizem que são muitas as “Umbandas”; só que isso não é verdade. A Religião de Umbanda é uma só. E, é aquela que segue os Preceitos ditados pelo Caboclo 7 Encruzilhadas, cujos ensinamentos estão baseado em Jesus – o Cristo. Todas as demais, infelizmente, são o que eram antes de ser pronunciado a palavra “Umbanda” pelo Fundador dessa Religião.

A legitimidade Crística da Umbanda:

Recordo que o Fundador da Umbanda, em uma vida passada foi o Apóstolo Thomé, e com certeza Ele conviveu junto ao Único Mestre de Verdade – Jesus, sendo que Dele foi recebida a Missão de Evangelizar. Também, que as demais vidas desse Apóstolo sempre foi no sentido de favorecer o Brasil, nossos índios e habitantes daqui. Por Ele ter fundado a Umbanda, por lógica, a Umbanda é a continuidade desse Trabalho de Evangelização. Haverá maior legitimidade que essa?

A nossa Palavra de Atenção, dirigida ao leitor/a:

O Senhor, ou a Senhora, pelo simples fato de ter recebido esse Livrinho, já percebe que a nossa Casa possui Compromisso de Verdade para com a Religião. Esse nosso compromisso nos leva a enfatizar determinados aspectos da Doutrina:

  1. Todo médium e espírito deve ser evangelizado de acordo com a verdadeira Doutrina de Cristo, para que só então possa ter condições de Evangelizar as pessoas que o procuram.
  2. Exige-se comportamento Ético, Moral e Religioso de seu adepto.
  3. Na Umbanda, não se faz sacrifício de aves e animais, e nem oferendas para esta ou aquela entidade, quer seja na solicitação de pedidos, ou para fazer ou desmanchar quaisquer trabalhos espirituais.
  4. Somos hoje o reflexo de nós mesmos ontem; e que amanhã seremos 

Havendo interesse na filiação:

Se o Senhor ou a Senhora procura um ambiente espiritual Umbandista que atenda melhor os seus anseios, venha fazer parte de nosso Templo, para que, juntos, possamos aprender mais, difundirmos as Verdades sobre a Umbanda dos Legítimos Fundadores: Caboclo Sete Encruzilhadas e médium Zélio Fernandino de Moraes, e do.

Observação:

Muitas pessoas pedem para fazer parte de nosso Templo; mas, poucos ficam porque a seleção material e espiritual acontece, e baseada em qualidade e não em quantidade. Não basta apenas a participação nos rituais, é necessária a transformação no sentido evolutivo.

Hino da Umbanda (Autor: J. Alves):

Refletiu a Luz Divina                           
Com todo seu esplendor
Vem do Reino de Oxalá
Onde há paz e amor

Luz que refletiu na Terra
Luz que refletiu no mar
Luz que veio de Aruanda
Para tudo iluminar

Umbanda é Paz e Amor
É um mundo cheio de Luz
É a força que nos dá vida
É a grandeza que nos conduz

Avante Filhos de Fé
Como a nossa Lei não há
Levando ao mundo inteiro
A bandeira de Oxalá.

Finalizo, pedindo para Jesus derramar as suas benções sobre todos os Umbandistas; e principalmente sobre todos os Seres Humanos, Almas e Espíritos, no sentido da Paz entre todos.

 Todos os direitos do presente Manual estão registrados; mas permite-se a cópia, a reprodução total ou partes, desde que haja autorização do Autor, e não se permite nenhuma alteração.

..................................................................................................

..................................................................................................

© 2014 TEMPLO DE UMBANDA O.XALÁ.ÇA
Designer by Vmaster TI
Atendimento ás sextas-feiras com inicio ás 21:30 horas | E-mail: oxalaca@yahoo.com.br
R. Joana Avancini do Prado, 157 - Jd. Lallo - São Paulo/SP - CEP 04812-210 - Próx. Estação da CPTM Autódromo Interlagos