PROGRAMA BÁSICO DE DOUTRINA UMBANDISTA

PBDU)SESSÃO DE ESTUDO Nº 11

Maio - 2001.

Março – 2007

Maio - 2009

OS HABITANTES DO MUNDO ESPIRITUAL:

A prudência determina que:  “Primeiro deve-se conhecer, para só então aplicar”. Pela Mediunidade, o Médium Umbandista entra em contato com diversos Espíritos, sendo que estes tem origem em diversos locais do Mundo Espiritual.

De forma geral, os Mundos Espirituais são regulados por Leis Únicas, acrescentados das Leis Próprias e Costumes, de acordo com a Vibração Peculiar à cada Faixa.

Sabemos, pelos PBDUs anteriores, que o Espírito, nada mais é do que pessoa idem à nós; só que não mais ocupando um Corpo Humano.

É um erro supor que a Morte Física concede ao Espírito, a Sabedoria Plena ou a Inteira Posse do Sentimento.

Normalmente, o Espírito é uma continuidade do que foi quando em vida. Se era Bom, continua Bom. Se era Malévolo, continuará Malévolo.

Nos Mundos Espirituais, encontram-se Espíritos dotados das Maiores Virtudes e de Deslumbrantes Inteligências. Mas, infelizmente, lá também se encontram Espíritos portadores de Vícios e de muita propensão para o Mal. Também há os Espíritos mentirosos ou Mistificadores, que dizem serem Espíritos que veneramos, quando na realidade são zombeteiros, inferiores, obsessores, rabos de encruza, quiumbas, etc...

Ainda existem os Espíritos Pseudos-Sábios, os Orgulhosos, os Prepotentes e tantos outros que se comprazem em enganar, que julgam e dizem tudo saber e ainda querem dominar.

Há os Malévolos que espalham por toda a parte a Desarmonia, a Má-Educação, a Malquerença, e as Rivalidades. Todas essas classes de Espíritos do Mal, agem principalmente dentro dos Templos e através de seus Médiuns Relapsos. Se aproveitam de seus maus Médiuns em seus excessivos Amor-Próprio. Usam da Astúcia para desviarem de seus deveres todos os que envolvem em suas malhas.

A finalidade principal desses maus espíritos, é sempre de criarem um ambiente entre as pessoas, de desarmonia e de desarticulação, até acontecer o fechamento de todos os Bons Templos Religiosos, quaisquer seja a religião praticada, já que estas religiões, fazendo acontecer a sua verdadeira finalidade, que é a de fazerem as pessoas melhorarem em todos os sentidos, combatem de forma direta e indireta todos esses maus espíritos.

Mas, felizmente, também nos Mundos Espirituais vivem Espíritos que se dedicam somente ao Bem. Atendem a todas as Religiões, sendo especialistas em suas finalidades à que se propõem.

ESSES ESPÍRITOS DO BEM, SE CLASSIFICAM EM:

Espíritos Consoladores:

Suas funções é a de espalharem pensamentos de Esperança entre os Seres Humanos e demais Espíritos que lhe são inferiores, estando implícito em suas atividades, a propagação das Virtudes da “FÉ” e do  “AMOR”.

Espíritos Educadores:

Suas funções é a de promoverem o Progresso Moral e Intelectual entre os Seres Humanos e demais Espíritos que lhe são inferiores, estando implícito em suas atividades, a propagação das Virtudes do “CONHECIMENTO”, das “LEIS”, e da “JUSTIÇA”.

Espíritos Curadores:

Suas funções é a de mitigarem (diminuir) o sofrimento da Humanidade Material e Espiritual, estando implícito em suas atividades, a propagação das Virtudes da “GERAÇÃO” da vida e a  “EVOLUÇÃO” de todas as formas e conceitos para o necessário aperfeiçoamento de Seres Humanos e Espíritos que lhe são inferiores.

Esses Espíritos, são os Guias, Chefes, Mentores, Líderes, Coordenadores, Organizadores, Trabalhadores, Construtores, Auxiliares, e etc...,  de todas as Linhas, Falanges e Grupos Espirituais que existem em todas as Organizações no Espaço Espiritual responsáveis pela existência de seitas, cultos, fraternidades e religiões, existentes no mundo material.

Esses Espíritos não poderiam ser diferentes, em relação à Umbanda.

A Umbanda existe, primeiramente em função da existência desses Espíritos; e segundo, por eles a terem idealizado dentro da finalidade planejada.

Conforme visto em PBDU anterior, a Umbanda tem existência porque atende Vontade Espiritual de origem na Alta Envergadura, pois a atuação da Umbanda, como Religião, além de suas atividades no campo espiritual, preenche um espaço vazio de necessidade para determinados Seres Humanos e Espíritos que cumprem Karma, e outros que somente se encaminham para a Evolução pela observância do Sentido de Religião propiciado pela Umbanda. 

Esses Espíritos, imbuídos e, na aplicação de suas responsabilidades, como visto em PBDU anterior, possuem retaguarda espiritual proveniente dos Orixás (o mesmo que Anjos), sendo por eles sustentados em suas batalhas contra os Espíritos Ignorantes, e ainda, sendo sustentáculos para a continuidade dos Trabalhos Espirituais da Umbanda.

São esses Espíritos, os mesmos que chamamos de: Nossos Guias Trabalhadores, Entidades, Mentores, Chefes, Trabalhadores, Guardiães, Auxiliares, de diversas outras ordens, e etc..., que militam em nossa Umbanda.

Esses Espíritos, em suas Qualidades com Ordens e Direitos de Trabalho para a Religião de Umbanda, são quem organizam e sustentam o Mundo Espiritual da Religião de Umbanda, da forma como o concebido pelos seus adeptos, que sempre é informação proveniente dos Espíritos.

OS MUNDOS ESPIRITUAIS DE “ARUANDA”:

“Aruanda” designa o local de moradia de todos os Espíritos que militam na Direita Positiva da Umbanda.

É um único e enorme espaço espiritual dividido em extensas áreas, sendo cada área idealizada de forma à corresponder aos melhores aspectos de vida para a sua sociedade de moradores.

Cada área distinta, uma independente da outra, mas sempre interligadas, fica ocupada unicamente por Espíritos ligados de forma direta e indireta com a Religião de Umbanda, os quais em sua quantidade, diversidade e classificações, formam Linhas, Falanges e Grupamentos, sendo todos os moradores de cada uma dessas áreas, de costumes bem próximos ou idênticos, de quando em vidas na carne.

Portanto, cada área, ou “Aruanda”, ou “Mundo Espiritual onde residem os Espíritos Trabalhadores da Umbanda”, é idealizado em sua forma de ser, de acordo com a Vontade da maioria dos Espíritos ali moradores, pela aplicação da Forma-Pensamento, ou seja: “o que se pensa, se concretiza”.

A segurança desse Mundos Espirituais de Aruanda, se faz naturalmente pela vibração peculiar de sua existência e construção, a qual, por ter origem em vibrações emanadas de grupos de Espíritos afins em mesmo propósito, essa vibração peculiar e comum à todos os Construtores, impede naturalmente e de forma eficaz, a entrada de espíritos que possuam vibrações em nível inferior.

Observação: A entrada nas Aruandas, é livre para Espíritos Superiores, e acontece naturalmente, pois não há choque vibratorial. Lógico que sempre existe uma anunciação antecipada, pois isso é regra de educação e de boa conduta.

Importante: Não se deve confundir os Mundos de Aruanda, com as “Colônias Espirituais”.

AS COLÔNIAS ESPIRITUAIS:

São as cidades no Plano Espiritual, que abrigam temporariamente os desencarnados, espíritos que estão no rol das reencarnações.

As Colônias também foram formadas por Espíritos Construtores e, são em bases iguais, fechados, com portões, sistemas de defesas, escolas, jardins, praças, locais de reuniões e de palestras, governadoria, áreas distintas de moradia e, possuem intercâmbio entre todas.

As Colônias se dividem em suas funções:

a)- Postos de Socorros Avançados das Colônias:

São locais de socorro menores na Crosta (Terra) e no Umbral (mundos negativos).

Para os Postos de Socorros, são conduzidos os espíritos socorridos de seus mundos negativos, sendo inicialmente amparados e orientados, tendo depois a liberdade de escolherem o caminho a seguir.

Se despertos no sentido da Evolução, seguem para as Colônias de suas necessidades. Se não, retornam aos seus locais de origem.

Observação: A condição para espíritos saírem de seus mundos negativos de sofrimento, é o cumprimento de suas penas Kármicas, a compreensão de seus erros, o sincero desejo de transformação moral, e as rogativas à Deus para o socorro.

b)- Colônias de Recuperação:

Cidades para o tratamento espiritual, feito em grandes hospitais, para os espíritos retirados dos mundos negativos pelos Postos de Socorros.

Espíritos esses, que se encontram em péssimo estado de apresentação, como mutilações, doenças, deformidades, enfim, verdadeiros farrapos.

Em sequência, após o tratamento médico que recupera a aparência física espiritual e a boa condição mental desses espíritos, são encaminhados para as Colônias de Regeneração.

c)- Colônias de Regeneração:

Cidades para o tratamento espiritual feito em Escolas tipo Universidades, com salas de aula, vídeo e conferências, alojamentos, bibliotecas, refeitórios, salas assistenciais, enfermaria e a diretoria.

Os cursos são intensivos, em diversas matérias para o aprimoramento do conhecimento do espírito, notadamente as aulas de moral cristã, alfabetização e educação geral.

Os alunos usam uniformes, e só saem da escola após terminado os cursos.

Após a conclusão, os espíritos escolhem uma ocupação ou vão para Colônias Residenciais diversas, até serem chamados para a reencarnação.

d)- Colônias Residenciais:

Cidades, Bairros, Vilas ou Lugarejos, os quais seguem uma configuração arquitetônica de acordo com o costume dos espíritos moradores.

São em forma de apresentação as mais diversas, possuindo todo o conforto necessário.

Algumas possuem estilos modernos, outras simples, e outras tipicamente de acordo com a maioria do povo espiritual ali morador, com casas em estilo de vilas portuguesas, suíças, alemãs, etc...

De comum em todas, muita vegetação, flores, rios, lagos, mar, bibliotecas, praças públicas, teatros, locais de cultura diversas, etc...

O tempo e dia e noite, seguem os mesmos padrões de quando vivos no Planeta Terra, pois como são espíritos que ainda irão reencarnar, não acontece alteração nesses fatores e, nessas Colônias Residenciais, se faz a contagem do tempo em anos, meses, dias e horas, idem à vida na carne; bem como, se vê o Sol, a Lua, as Estrêlas, as Estações do Tempo, etc...

As condições climáticas, são mais amenas que na Terra e bastante confortáveis.

O QUE EXISTE NOS MUNDOS ESPIRITUAIS DE ARUANDA:

A Aruanda dos Caboclos:

Podem ser vistos extensas áreas em forma de florestas, árvores, montanhas, serras, lagos, rios, mares, cachoeiras, vida animal, vida aquática, aves, extensas pradarias, clima perfeito alternando tempo seco e chuvoso, frio e calor, mas sempre amenos.

Espalhados por essa área, vê-se distintos grupos de cabanas, ocas, tabas, tipis, casas, acampamentos indígenas, cercados por pomares, árvores e hortas.

Ao redor das construções e fazendo parte do habitat natural, vêem-se animais domésticos: cães, aves, cavalos, pássaros, ...

No cotidiano, vê-se o morador indígena, no exercício de suas atividades diárias, tal e qual quando em vida na carne.

Na observação de seus aspectos físicos, o morador espiritual indígena se apresenta em tons de pele avermelhada, morena e amarelada.

Se apresentam em todas as idades que compõem uma sociedade de homens e mulheres, sendo idosos, jovens e crianças.

Suas pinturas e vestimentas se apresentam de acordo com os costumes da tribo à que pertencem, variando no uso das cores, desenhos, tecidos, penas, peles de animais e vegetais trançados.

Seus semblantes se apresentam calmos, confiante e seguros em suas lides diárias de vida em suas tribos; mas, se tornam sérios e compenetrados da seriedade e importância de suas obrigações religiosas, quando de qualquer menção às suas atividades e obrigações advindas como espíritos de trabalho na Umbanda e, como espíritos incorporantes em Médiuns na Terra.

Mesmo esses Espíritos, se apresentando numa forma considerada que é inferior, que é a do Indígena, todos possuem uma Aura que irradia qualidades que somente são encontradas em um Espírito Superior, e notadamente transmitem muita Segurança, Força Espiritual e Confiabilidade.

A harmonia é preponderante entre as sociedades dos espíritos moradores, nada faltando para o  atendimento de suas necessidades.

Se reúnem constantemente, e o intercâmbio cultural entre tribos diferentes, se processa por meio das festas que realizam, e mesmo sendo de nações diferentes, mantêm os seus costumes, rezas, danças e histórias.

De acordo com as tribos e nações indígenas, chamam aos seus Mundos de Aruanda, de: “Mãe Natureza, Terra de Tupã, Terra de Manitú, Felizes Campos de Caça, Terra dos Bons Espíritos”, e outros nomes.

A Aruanda dos Pretos-Velhos:

Podem ser vistos extensas áreas em forma de florestas, montanhas, serras, árvores, lagos, rios, mares, cachoeiras, vida animal, vida aquática, muitas aves, extensas pradarias, clima perfeito alternando tempo seco e chuvoso, frio e calor, mas sempre amenos e de bastante conforto.

Essas áreas de moradia dos Espíritos de Pretos e Pretas Velhas, se dividem em duas formas de apresentação:

A PRIMEIRA FORMA:

Lembra o Brasil Colonial do ano de 1.800, com suas Fazendas de Café, Gado, Algodão, Cana de Açúcar, Engenhos, Silos de Depósitos e de Produção, laticínios, hortas, pomares, ...

Ao redor das Fazendas, observam-se animais domésticos como cães, aves, porcos, bois, cavalos, gatos, ...

Visto carros de boi, charretes, carroças, o pátio central da fazenda, poço para a retirada de água, engenhos tipo pilão, roda de moenda, moenda de rio, enfim, tudo aquilo que compõe uma fazenda dos tempos coloniais.

Visto também as Senzalas, só que todas desativadas, limpas e abertas, e também o Pelourinho; mas, talvez, conservados como uma forma de lembrança do que a ignorância e o poder cruel podem fazer.

A SEGUNDA FORMA:

Lembra a África, com suas savanas (vegetação baixa, intercalada por árvores), e animais selvagens.

As Aldeias, formadas por materiais vegetais, dispostas em área circular, e cercada em seu derredor por fino rio de água, separando-o da savana.

Ao redor das construções e fazendo parte do habitat natural, vêem-se animais domésticos: cães, gatos, aves, cavalos, pássaros, ...

NO GERAL E PARA OS MORADORES DAS DUAS FORMAS:

No cotidiano, vê-se o morador espiritual, no exercício de suas atividades diárias, tal e qual quando em vida na carne. Na observação de seus aspectos físicos, o morador espiritual se apresenta com a pele de cor negra, com variação para uma cor morena bem escura. Os negros se apresentam em todas as idades que compõem uma sociedade de homens e mulheres, sendo idosos, jovens e crianças.

Suas pinturas e vestimentas se apresentam de acordo com os costumes da tribo à que pertencem, variando no uso das cores, desenhos, tecidos, penas, peles de animais e vegetais trançados.

Seus semblantes se apresentam calmos, confiante e seguros em suas lides diárias de vida em suas tribos; mas, se tornam sérios e compenetrados da seriedade e importância de suas obrigações religiosas, quando de qualquer menção às suas atividades e obrigações advindas como espíritos de trabalho na Umbanda e, como espíritos incorporantes em Médiuns na Terra.

Mesmo esses Espíritos, se apresentando numa forma considerada que é considerada como inferior, que é a  de Negro Africano, todos possuem uma Aura que irradia Superioridade Espiritual, muito Amor, muita Experiência, muito Conhecimento, muita Segurança e muita Confiança.

A harmonia é preponderante entre as sociedades dos espíritos moradores, nada faltando para o  atendimento de suas necessidades.

Se reúnem constantemente, e o intercâmbio cultural entre tribos diferentes, se processa por meio das festas que realizam, e mesmo sendo de nações diferentes, mantêm os seus costumes, rezas, danças e histórias.

O QUE INFORMAM SOBRE SUAS FORMAS PLASMADAS DE IDOSOS:

Informam que as suas formas de apresentação mediúnica, quando incorporados, trazendo a forma plasmada de uma pessoa idosa, cansada, pesada, se arrastando até, falando pausadamente, enfim, na forma de “velho velha”, nada mais é do que a intenção de mostrarem ao circunstante, que eles, os Espíritos de Negros e Negras Ex-Escravos, são Espíritos Antigos e com Alto Grau de Conhecimento, Sabedoria, Paciência, Humildade, e principalmente de Experiência, coisas que somente a Idade faz acontecer; e portanto, que eles são Confiáveis, Bons Ouvintes e possuidores do Bom Conselho para qualquer pessoa.

Informam ainda, que se realmente conservassem a forma de um “velho ou velha” alquebrado no Mundo Espiritual, isso seria um castigo e sofrimento pela dor, pois os seus movimentos estariam limitados por atrofias.

A Aruanda dos Erês:

Ao contrário do que muitos imaginam, pensando ser um mundo repleto de brinquedos, parques de diversões e fantasias infantis, a Aruanda dos Erês é totalmente prática, funcional e racional em suas disposições.

Se constitui basicamente de construções, todas em cor branca, sem decorações excessivas ou inúteis, distribuídas em forma de poderem atender as necessidades dessa Linhagem de Espíritos.

Conforme visto em PBDU anterior, os Espíritos nas formas plasmadas de Crianças, por serem Inocência Pura e neles não existir o Pecado; ou seja, por terem, pelo seus Livre-Arbítrio, eliminado de si todas as formas inferiores de pensamentos e desejos, nessa sua Aruanda, se apresentam todos e todas, em formas plasmadas em corpos infantis, tanto de meninos como de meninas, com idades de apresentação variando de 03 à 08 anos.

Alguns prédios são basicamente dormitórios; outros são refeitórios; outros são e, constituem a maioria, de Bibliotecas, Salas de Aula, Salas de Pesquisa, Teatros e Amplos Salões de Reuniões.

As distâncias existentes entre os prédios, são preenchidos com muito verde, flores, lagos e gramados extensos. O céu é de um azul límpido sem manchas, o tempo é constantemente ameno, agradável e com uma certa fragrância de flores no ar.

Também ao contrário do que se possa imaginar, o relacionamento desses Espíritos entre si, são severamente respeitosos, não havendo em seus comportamentos nada de infantil ou de “bagunça”.

Espíritos Mentores explicam que as formas plasmadas de Crianças, nada mais atende do que um desejo de um Espírito Superior que quer se identificar como um Espírito em que nele inexiste o pecado; sendo essa, a principal arma vibratorial espiritual para:

a)-        Repelirem o Mal com sua simples presença, pois a Inocência Pura Sem Pecado, aliado ao desejo sincero da prática do Bem, é Farol Cegante e Dilacerante em qualquer escuridão onde exista o pecado.

É por isso que se diz, que onde está incorporado um Erê de Verdade, nesse lugar não incorpora um espírito inferior, pois este último é literalmente “queimado” em sua forma plasmada pela Luz emitida por um Espírito Erê.

b)-       Fazer o Bem em todas as suas Formas acontecer com sua simples presença.

Prova disso, é que na incorporação dos Erês, as pessoas que realmente possuem sintonia gerada pelo verdadeiro desejo da prática da ajuda ao seus semelhantes, sentem uma espécie de alegria invadir o seu ser, bem como se sentem tocada de uma certa emoção difícil de ser descrita, pois é um misto de euforia e choro intimo sentimental, com um certo nó na garganta; mas, tudo retratando felicidade.

É por isso que se diz, que onde está incorporado um Erê, todas as pessoas (que são possuidores do  poder da Análise) podem aquilatar os seus verdadeiros sentimentos em relação aos seus próprios instintos.

Se nenhuma emoção de felicidade sentir na presença de um Erê, é má pessoa que ainda tem muito a crescer em direção aos Bons Sentimentos não só para com as demais pessoas e coisas, mas principalmente para consigo mesmo.

Se, na presença de um Erê, acontece em seu interior uma transformação, onde os sentimentos retratam o que é Belo, Agradável e Afeturos para com tudo e todos, sabe-se que o Amor Espiritual se faz presente na criatura.   Com muita razão e propriedade é que os Erês são os nossos melhores Médicos Espirituais. Suas Qualidades e formas plasmadas são o exemplo e o retrato dessa verdade.

Conforme visto em PBDU anterior, as doenças são provenientes de nosso comportamento, pois somos hoje o resultado do que fizemos ontem e, seremos amanhã o que fizermos hoje.

Portanto, na busca de irmos ao encontro de uma vida sem pecados, devemos eliminar de nós quaisquer possibilidade de virmos a ser atingido pela Lei do Karma, vindo a inexistir Débitos a serem resgatados e; nessa condição sem pecados, não há motivos para doenças e sofrimentos.

As Aruandas dos Baianos, dos Boiadeiros, dos Ciganos, dos Marinheiros, e de demais Espíritos Auxiliares:

Primeiro: Conforme visto em PBDUs anteriores, sabe-se que:

- O Espírito de Preto-Velho, representa a Velhice = Experiência;

- O Espírito de Caboclo, representa a Juventude = Força e;

- O Espírito de Erê, representa a Infância = A Inocente Pureza sem Pecado.

Segundo:

Conforme visto em PBDUs anteriores, sabe-se que o Espírito que hoje habita em um Ser Humano, em outras vidas passadas já habitou outros corpos, variando em épocas, raças, credos, culturas, habilidades e etc...

Que nas vidas passadas da maioria dos espíritos, já aconteceram momentos de:

1.      Muito sofrimento e velhice nas várias vidas já vividas (em analogia aos negros escravos);

2.      Atividades próxima à Natureza, seu respeito à ela, bem como vidas vividas como Índio; e também, possuindo Juventude (em analogia ao caboclos) e;

3.      Atividades onde houve a necessidade da dedicação e do devotamento ao próximo, como médico, conselheiro, sacerdote, pai, educador, etc..., enfim, em atividade onde se eliminou boa parte da vaidade humana  (em analogia aos Erês);

Portanto, qualquer espírito que tenha passado pelas condições dos itens 1, 2 e 3 acima, se habilita pelo seu Livre-Arbítrio (desde que haja o aceite por parte dos Espíritos que controlam o Alistamento nas Hostes da Umbanda), a integrar qualquer uma das formas de apresentação plasmada pelos Espíritos nas Linhas da Umbanda; bastando para o espírito candidato, apenas se adequar á uma das formas já vivida em vida anterior e, permanecendo com o Conhecimento da atualidade.

Dessa forma, entende-se que os Espíritos, cujas vontades no Sentido da Evolução, é de se integrarem às Hostes da Umbanda; mas, que não são possuidores (ainda) das qualidades para a assunção de um dos Arquétipos de Apresentação, se reúnem aos seus iguais espíritos em faixas de vibração (os que permanecem idem às suas formas de sua última encarnação).

Por haver a vontade desses Espíritos, e pela Benesse dos Espíritos Organizadores da Umbanda, os quais, no atendimento da dita Evolução fazem o cumprimento desta, foram  criados nos Mundos Espirituais de Aruanda, os Mundos dos Espíritos Auxiliares das Linhas de Umbanda.

Esses Espíritos que compõem as Linhas Auxiliares da Umbanda, habitam os Mundos Espirituais de Aruanda dos Baianos, Aruanda dos Boiadeiros, Aruanda dos Ciganos, Aruanda dos Marinheiros, ...

Também, à exemplo do que acontece nas Aruandas dos Pretos-Velhos, Aruanda dos Caboclos e Aruanda dos Erês, cada Aruanda atende as melhores condições para cada tipo de Espírito em sua Qualificação.

A Aruanda dos Baianos e Baianas:

Possui tudo tipicamente nordestino, em sua cultura, musica, dança, comidas, ...

A Aruanda dos Boiadeiros e Boiadeiras:

Possui tudo tipicamente que atenda o Boiadeiro, com as suas boiadas, estradas, rios, modo de vida ao ar livre, acampamento, ...

A Aruanda dos Ciganos e Ciganas:

Possui tudo que atende o seu modo de vida nômade, sua cultura, musica, dança, sortilégios, carroções, tradição, ...

A Aruanda dos Marinheiros e Marinheiras:

Possui tudo que atende o modo de vida do Marinheiro, com seus Mares, Oceanos, Portos, Aventuras, ...

Observação: Todos os Espíritos das Linhas Auxiliares da Umbanda, recebem a assistência e o concurso dos Espíritos que possuem Ordens e Direitos de Trabalho na Religião de Umbanda.

Os Espíritos das Linhas Auxiliares não adentram aos Mundos Espirituais dos Caboclos, Pretos-Velhos e Erês, exatamente devido a diferença de vibração; mas, convidados e amparados por estes, os Espíritos Auxiliares adentram nessas Aruandas.

Alguns Espíritos que integram as Linhas Auxiliares, devido suas Qualidades e Posição de Escolha por Livre Arbítrio, inclusive de Integração, possuem Passes Livres para entrar e sair de uma Aruanda específica e para contato com determinado Espírito ali morador, sem nenhum problema de impedimento por diferença de vibratória.

O QUE EXISTE DE COMUM, EM TODAS AS ARUANDAS:

a) Visto que o espírito plasma a forma desejada que atende os Preceitos da Umbanda.

b) Visto que os Espíritos com Ordens e Direitos de Trabalho na Umbanda, apesar da forma considerada inferior e humilde, possuem Qualidades de Bom, Sábio, Superior, Prudente, enfim, Espíritos Superiores.

c) Visto que os Espíritos Auxiliares dos Guias Trabalhadores da Umbanda, possuem o desejo sincero da prática do Bem em todas as suas formas.

d) Visto que a verdadeira manifestação da Espiritualidade pela Religião de Umbanda Sagrada, manifestada através e tanto do Médium quanto do Espírito Incorporante, é sempre de forma Ordeira, Pacífica, Instrutiva, Educada, com Propósito Filial de Amor, e com reconhecimento pela Ética do Bom Comportamento e, principalmente pela prática da Caridade em todas as suas formas.

e) Visto que as “Umbandas” são muitas e que são de acordo com o médium e seu espírito.

f) Visto que onde não reina e se pratica os Ensinamentos de Pai Oxalá, não se fala da Umbanda e seu fundador o Caboclo das Sete Encruzilhadas e, não se adota a Ciência, a Filosofia e a Religião dos Espíritos codificadas por Allan Kardec, nesses locais não existem, não se conhecem, e não se aplicam  as Sete Virtudes da Umbanda, que são: Fé, Amor, Conhecimento, Justiça, Lei, Geração e Evolução.

g) Visto que as diferenças entre os Espíritos que militam na Umbanda, em relação aos demais espíritos que integram os cultos mistificadores que também se identificam como sendo de Umbanda, estão em suas origens e propósitos.

Primeira Diferença:

As Qualidades conjuntas de Médiuns e Espíritos:

a)- Médiuns e Espíritos compromissados com a Umbanda seguem os Preceitos ditados pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, seguem a Verdadeira Doutrina de Jesus Cristo, seguem a Codificação da Revelação Espírita Kardecista e, suas atitudes são do Estudo e, da Prática da Caridade em Todas as suas Formas.

b)- Médiuns e espíritos mistificadores, seguem apenas os seus orgulhos, vaidades, amor próprio excessivo, rancores, ódios, mal-querência, são mal educados, sentem prazer em zombar de demais pessoas, cobram por falsos “trabalhos de ajuda espiritual”, são viciados, indolentes, aproveitadores do sofrimento alheio, enfim, não possuem nenhuma qualidade no sentido da Verdadeira Caridade e Amor. 

Segunda Diferença:

a)- A Fonte de Conhecimento dos Espíritos Guias com Ordens e Direitos de Trabalho na Umbanda, tem origem única em Espíritos de Alta Envergadura e, distribuídas idem para todos os mundos de Aruanda.

b)- Para espíritos e médiuns mistificadores que dizem ser de Umbanda, não existe nenhuma fonte externa de conhecimento, e sim apenas a soma de suas ignorâncias; e ainda, seguem apenas o momento.

Terceira Diferença:

a)- Os Espíritos Guias Trabalhadores da Umbanda tem um mundo de origem que são as Aruandas.

b)- Os espíritos mistificadores não possuem mundo de origem, pois vivem “grudados” em seus médiuns, pois são obsessores, etc...

AS ESCOLAS DOS MUNDOS DE ARUANDA:

Independente de ser a Aruanda dos Caboclos, dos Pretos-Velhos, das Crianças, e dos Espíritos Auxiliares, em todas as Aruandas existem as Salas de Aula e Professores Espirituais constituídos por reconhecidos Espíritos de Alta Envergadura, do próprio meio e externo, para ministrarem matérias de estudo em todas as áreas de conhecimento.

Essas prédios escolas, seguem padrão único e, à exemplo do que acontece na Terra, são aulas teóricas em recinto fechado, práticas em campo aberto e também em locais do interesse, com a utilização de técnicas de ensino convencionais por quadro negro, áudio e vídeo, palestras, e de outras formas de ensino além de nossa compreensão, não só no sentido de capacitar o espírito para melhores condições de lidar com as mais diversas situações, mas também, para o seu auto aprimoramento e evolução.

AS LIGAÇÕES DOS MUNDOS DE ARUANDA COM AS COLÔNIAS:

Como o objetivo espiritual é o mesmo, tanto de quem habita as Aruandas, como de quem está integrado à organização das Colônias Espirituais, o intercâmbio existe de maneira natural e normal. Nesse intercâmbio fraterno e harmonioso, é comum os Espíritos da Umbanda:

a)- Conduzirem espíritos resgatados, para os Postos de Socorro Avançado dos Colonias;

b)- Dentro das Enfermarias dos Postos de Socorros Avançados das Colônias, promoverem o acordar de espíritos e o auto reconhecimento da condição de desencarnado, através a simples presença, ou dos rituais empregados de acordo com a cultura do espirito adormecido;

c)- Dentro dos Hospitais das Colônias de Recuperação, ajudarem na recuperação de espíritos, cujas lembranças de vidas passadas os conduzem aos modos primitivos de comportamento e, somente os métodos análogos aos aceitos por uma mente, podem fazer mais rapidamente o despertar para a Consciência; Promoverem passes de Saúde aos enfermos.

d)- Dentro das Escolas das Colônias de Regeneração, na qualidade de Professores, transmitirem não só a cultura de seus povos de origem, como também e principalmente, o Ensino da Ecologia.

É exatamente nesse critério da Ecologia, que atualmente os Espíritos de Caboclos vem se empenhando de forma notável.

Já se sabe que é a partir das Colônias de Regeneração que os Espíritos reencarnam (é um dos pontos de maior afluência) para uma nova vida na Terra.

Se para cá, novos espíritos já vierem imbuídos do Sentido da Ecologia – O Respeito pela Natureza, que é o Sentido mais amplo de vida que o Índio (Caboclo) carrega em si, entende-se que, desde que observadas as lições, poderemos vir a ter com as novas gerações futuras, uma nova mentalidade dos habitantes da Terra em relação à melhor conservação e preservação do Meio Ambiente.   

AS LIGAÇÕES DA UMBANDA, COM A RELIGIÃO KARDECISTA:

a)- Já não é mais surpresa hoje em dia, que os Umbandistas, em suas lides diárias nos Terreiros, venham a ouvir de uma Entidade Espiritual que se apresenta como Preto-Velho ou Caboclo, dizer que também “trabalha” em Centro Kardecista.

b)- Também não é surpresa, se ouvir uma Entidade dizer que é eminentemente trabalhadora em Centro Kardecista e, que no momento, incorporado em um médium de boa afinidade, está ali no Terreiro de Umbanda “fazendo uma visita”.

c)- Já não é mais surpresa, se saber que Espíritos de Caboclos e Pretos-Velhos, já vem incorporando regularmente em Médiuns Kardecistas, para que estes Espíritos façam os trabalhos de “descarga” do ambiente, antes e depois das Sessões Kardecistas.

d)- E também, que em alguns Centros Kardecistas, não só os Caboclos, Pretos-Velhos e Erês, já dão “passes e radiações”; e, que em sessões secretas, muitos Centros Kardecistas, dão “passagem” aos Compadres Exus, para a execução de limpezas astrais e “trabalhos pesados” de desobsessão.

e)- Entendendo-se que a harmonia espiritual pela integração entre as duas religiões é mais do que necessária, e sendo a recíproca verdadeira, em muitos Terreiros de Umbanda, já se verificam a presença de Entidades Espirituais eminentemente Kardecistas, em incorporações cada vez mais frequentes.

Observação: Entidades Espirituais como Conselheiros, Padres, Mentores, Sábios, Filósofos, Figuras da História, ..., apesar de sempre terem feito parte da Religião Kardecista, já são regulares nos Terreiros de Umbanda, o que mostra a integração acontecendo nos dois lados. 

OS PONTOS DE FORÇA – PORTAL ESPIRITUAL - PARA DESLOCAMENTO:

Primeiro: Em todos os Mundos Espirituais de Aruanda, quer sejam os habitados por Caboclos, Pretos, Crianças, e os das Linhas Auxiliares, exatamente na parte central do Povoamento, ou da Aldeia, ou da Vila, ou da Fazenda, ou dos Grupamentos, ou dos Portos, existem de comum, um “Ponto de Força Mediúnico (ou Portal entre os Mundos Material e Espiritual), onde por ali passam (e retornam) os Espíritos em missão. 

Segundo: Em todos os Templos, ou locais onde vai se praticar a Mediunidade, e consequentemente há a necessidade do comparecimento de Espíritos com Ordens, Direitos e Compromisso com seu Médium e Religião, são construídos, no ato da atividade, nesses locais, sob o comando dos Espíritos Guardiães e executados pelos seus Auxiliares, um “Ponto de Força Mediúnico” (ou Portal entre os Mundos Material e Espiritual).

Observação Primeira: Os Espíritos informam que a simplicidade da informação corrente, de que as ligações entre Médium e Espírito se processam apenas pela sintonia de transmissão e recepção, fazendo o Espírito se deslocar de seu mundo (Aruanda), para onde está o Médium, e na velocidade do pensamento, é apenas meia verdade.

Se, para os Trabalhos Mediúnicos Compromissados realmente fosse dessa forma, qualquer atividade de transmissão mistificadora, fatalmente atrairia os Espíritos Compromissados com os seus Médiuns, para as mais diversas ciladas espirituais, aramadas pelos Espíritos Malévolos.

Para corroborar a veracidade da informação, foi citado que, em mundo inferiores, os Espíritos de Missão nesses Orbes, constantemente para lá se deslocam para as suas mais diversas finalidades, sendo especialmente citado, perigosos trabalhos socorristas espirituais e, que nesses Orbes, chegam até a se aprofundarem em áreas abissais.

Se realmente para lá fossem conduzidos pela sua vontade de adentrarem à esses mundos, e pelo método do deslocamento pelo pensamento, teriam:

- Um ponto de partida (seu mundo),

- Um ponto de entrada (no mundo inferior) e,

- Um ponto de chegada (nesse mundo inferior).

Só que, do “ponto de entrada” até o “ponto de chegada”, teriam de percorrer distância considerável, onde a vibração local minaria a vibração e força do visitante; sendo que este chegaria esgotado (ou nem chegaria) ao seu “ponto de chegada”, pois no caminho, poderia até a vir cair vitima de armadilhas.

Exatamente para evitarem esses desgastes e armadilhas, existem construídos em todos os mundos inferiores, Locais de Refúgio Avançados e Guardados pelos Espíritos Guardiães; e, no interior destes, são construídos os “Pontos de Força” ou Portais para Deslocamentos entre Mundos Espirituais.

Esses locais, são verdadeiras “Cabeças de Ponte Avançadas em Mundos Hostis e de diferentes Faixas de Vibração”, e se constituem em verdadeiro Porto Seguro para os Espíritos em Missão; pois, ao usarem esse meio de transporte, se preservam e conservam intacta suas energias, as quais são totalmente necessárias quando do exercício da atividade que vão realizar nesses mundos.

Observação Segunda: Esses “Pontos de Força” não existem em falsos Templos, e onde não existe a manifestação dos verdadeiros Guias Espirituais Trabalhadores da Umbanda, nesses falsos locais, onde o médium atrai e incorpora um espírito semelhante à sua ignorância, não há o que deslocar da “Aruanda”, pois espíritos ignorantes não vivem em nenhuma “Aruanda”.

Os Espíritos Mistificadores já vivem “grudados” e de forma obsessiva e vampirizadora em seus médiuns e, durante as 24 horas do dia/noite.

Isso explica o porque, que nessas verdadeiras “arapucas” onde se comercializam a religião, falsos “pais e mães de santo” tem à sua disposição à qualquer momento da manhã, tarde e noite, um espírito que se diz “guia” isso ou aquilo, para atender a todos os “fregueses”.

Lógico então, que esses espíritos incorporem durante as 24 horas do dia, pois se isso não fizerem, não tem um outro lugar para onde ir.

Observação Terceira: Em PBDU anterior, foram citados como perigoso para o Médium, o exercício da Mediunidade em qualquer lugar. O “Ponto de Força para Deslocamento do Espírito”, preserva este das armadilhas. O “Ponto de Força” está construído dentro do Templo, e o Templo está protegido pelos Espíritos Guardiães. É sabido que o Espírito, sem o uso do Ponto de Força, mas atraído pelo seu Médium, pode se deslocar na velocidade do pensamento para qualquer local; mas, se o local não é o Templo, esse local não tem a proteção dos Guardiães, o que sujeita o Médium e o Espírito, a ataques de Espíritos Malévolos.

Portanto, os perigos à que o Médium e Espírito se sujeitam, quando das incorporações caseiras, principalmente quando visam satisfazer curiosidade, e sem o propósito da caridade, são:

Primeiro:

Atraído pelo mental do Médium e, se deslocando pelo meio da velocidade do pensamento, o Espírito pode cair vítima de armadilhas preparadas por Espíritos Malévolos.

Segundo:

 O Médium, estando em ambiente e condição mediúnica desfavorável para ele, em local que não o Templo que o protege, pelo seu ato inconsequente de “incorporar em qualquer lugar”, dá a esse Médium a classificação de “burro e imprevidente”, pois o ato, além de ser irresponsável, tanto é prejudicial para si como para o espírito incorporante, como para as pessoas ao redor.

Terceiro:

Em vista do erro, o que vai ser trazer prejuízo a todos os envolvidos, principalmente ao Médium, pois isso faculta aos  Espíritos Malévolos, Mistificadores, Zombeteiros e etc..., de um deles criar condições de incorporação no Médium imprevidente. Com essa possessão, o espírito mau,além de, ali no momento vir a cometer barbaridades, pode vir a obsedar constantemente esse Médium.

OBSERVAÇÃO DE SUMA IMPORTÂNCIA:

É também por motivos como os do conhecimento acima, que os falsos “pais e mães de santo”, não permitem que os seus “filhos e filhas” estudem e venham a conhecer os “mistérios” da “Umbanda” que dizem “tocar”; pois em havendo o conhecimento, as pessoas de boa índole, sairiam dessas arapucas.

O que caracteriza, em primeiro lugar, um Verdadeiro Templo da Religião de Umbanda, é a Doutrina baseada na Verdade, pois somente em se conhecendo a Verdade, é que as pessoas se livram da Ignorância.

Frase de Jesus – Nosso Pai Oxalá: -  “Conhecereis a Verdade e esta vos libertará!”.

..................................................................................................

..................................................................................................

© 2014 TEMPLO DE UMBANDA O.XALÁ.ÇA
Designer by Vmaster TI
Atendimento ás sextas-feiras com inicio ás 21:30 horas | E-mail: oxalaca@yahoo.com.br
R. Joana Avancini do Prado, 157 - Jd. Lallo - São Paulo/SP - CEP 04812-210 - Próx. Estação da CPTM Autódromo Interlagos